Sim! O cérebro está preparado para aprender.
“Nós só aprendemos quando há incerteza, e isso é uma coisa boa”, disse Daeyeol Lee, Professora de Neurociência da Dorys McConnell Duberg de Yale e professora de psicologia e psiquiatria. “Realmente, não queremos aprender o tempo todo.” Os colegas de Lee e de Yale apresentaram a macacos tarefas em que a probabilidade de resultado era constante ou variável e detectaram diferenças fundamentais na atividade cerebral durante essas duas condições, eles relataram em 19 de julho no jornal Neuron.

A atividade em áreas do córtex frontal foi drasticamente reduzida quando as probabilidades de resultado eram fixadas e o animal tinha mais certeza do resultado. “Fomos capazes de detectar como o cérebro decide aprender”, disse Lee. Os resultados também ilustram porque é importante fazermos uma pausa no aprendizado, ele disse. “Se o cérebro está aprendendo o tempo todo, desistiríamos sempre que experimentássemos o fracasso; não persistiríamos”, disse Lee, que é membro do Kavli Institute for Neuroscience. No experimento inicial, os macacos puderam escolher entre acertar um alvo vermelho, que oferecia recompensas em 80% das vezes, e um alvo verde, que rendia 20% das vezes.

Eles aprenderam rapidamente que era mais lucrativo acertar o alvo vermelho, então os cientistas aumentaram a incerteza trocando coisas e tornando o alvo verde mais lucrativo. Em um segundo experimento, eles introduziram estabilidade - um botão laranja sempre compensava 80% das vezes e um botão azul sempre compensava 20% das vezes. Os macacos pararam de aprender, e a atividade cerebral relacionada ao aprendizado no córtex frontal foi drasticamente reduzida.

Somos constantemente confrontados com situações como essas na vida, que dependem da estabilidade do meio ambiente, disse Lee. Por exemplo, quando você sabe que um trem no Japão chegará dentro de 30 segundos do horário programado, geralmente não há necessidade de aprender, embora mesmo um atraso de alguns minutos possa ser um sinal de um acidente grave.

Nos metrôs mais caóticos de Nova York, pode haver razões mais urgentes para aprender sobre os motivos de atrasos em potencial, disse ele. Em muitos casos, o aprendizado é uma faca de dois gumes, observou Lee: Ao aprender golfe, por exemplo, persistimos apesar das falhas em tentar acertar um drive direto. No entanto, uma vez que nosso swing esteja aperfeiçoado, uma vez que os bons hábitos se tornem enraizados, aprender algo novo só pode prejudicar o desempenho. O mesmo processo pode ajudar a explicar comportamentos negativos, como dependência de drogas ou jogos de azar, disse Lee: o cérebro pode decidir erroneamente que não precisa aprender mais, e os maus hábitos se consolidam. Compreender a natureza das mudanças neurais associadas ao aprendizado pode nos permitir encontrar remédios para tais comportamentos inadequados, disse ele.


Bart Massi e Christopher H. Donahue são co-autores do estudo, que foi financiado principalmente pelo National Institutes of Health.
Voltar
Dá um oi pra gente. Temos muito o que conversar ;)
Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.
Av. Prof. Fonseca Rodrigues, 546  | +55 11 30242727
São Paulo – SP | Brasil